Feira Na Rosenbaum ocupa o museu A Casa, em São Paulo


Depois de passar pelo Museu Oscar Niemeyer neste início de outubro, em Curitiba, a Feira na Rosenbaum, uma das principais iniciativas do design brasileiro independente, prepara edição inédita no A Casa – Museu do objeto brasileiro, recebendo também artistas e expositores do coletivo carioca Carandaí 25. O evento reunirá mais de X marcas de design, arte e vestuário em edição especial no A Casa – Museu do Objeto Brasileiro, durante os dias 25 a 29 de outubro.

A Casa – Museu do objeto brasileiro tem como objetivo contribuir para o reconhecimento, valorização e desenvolvimento da produção artesanal e do design, uma missão que dialoga com o propósito da Feira na Rosenbaum.

Esta também será a segunda edição da Feira na Rosenbaum que aborda o tema “Feira de Todos os Povos”, em que Cris Rosenbaum, curadora e fundadora da iniciativa, busca dar mais visibilidade para trabalhos mais conectados aos fazeres tradicionais de diferentes regiões do mundo.

“Sempre tentamos criar direcionamentos e atmosferas especiais para cada edição da Feira na Rosenbaum. Não pensamos em ter Feiras temáticas, mas acreditamos ser importante delinear alguns recortes no momento de realizar a curadoria de cada evento. São muitas novas marcas e profissionais surgindo no mercado a cada dia, e desenhar esses territórios possibilita que consigamos trazer sempre novos nomes para apresentar ao público da Feira”, conta Cris, que tem consolidado cada vez mais seus eventos como a nova vitrine do design autoral e independente do Brasil.

Sobre a Feira na Rosenbaum

A primeira edição da Feira na Rosenbaum aconteceu em um momento em que designers estavam começando a sair de grandes marcas e irem para seus próprios ateliês. A Feira cresceu junto com esses profissionais e com esse movimento independente de artistas e designers de levarem seus trabalhos para públicos para além de seus ateliês - muitas vezes localizados em suas casas.

A Feira, além da curadoria de expositores que busca trabalhos alinhados com o propósito de expor a alma brasileira, cria uma atmosfera multisensorial em cada edição, que inclui uma narrativa visual, sabores, música, cheiros e encontros em uma energia de casa, de acolhimento.

“A Feira na Rosenbaum tem uma curadoria forte. A primeira Feira que eu fiz achei muito interessante em expor os produtos de todos os artistas de forma ‘misturada’. Era uma delícia! Eram muitas coisas novas e cada cantinho conversava os objetos entre si. Não era apenas o espaço: sempre existiu uma conexão entre os expositores e uma narrativa visual na Feira - a criação de uma atmosfera. Criamos uma rede entre os expositores, onde um dá apoio ao outro, cuida do espaço do outro. Uma energia muito boa, de fazer juntos”. Cris Rosenbaum.

“A Cris é super generosa, e isso vai contagiando o lugar. Quem vai ficando na Feira é porque se identifica com essa energia”, conta a joalheira Thais Costa, expositora da Feira na Rosenbaum há 3 anos.

Os produtos expostos da Feira passam por joias com pedras brasileiras e mais acessórios, mobiliário, decoração e design gráfico, além de trabalhos de arte como bordados, ilustrações e artes ancestrais de artesãos de regiões do Norte e Nordeste. O Instituto Kabu traz também peças criadas pelos índios Kayapó, no estado do Pará. Nas duas última edições, contamos com a parceria do coletivo carioca Carandaí, que somou vestuário à Feira de Todas as Mães e mais uma edição que aconteceu no Rio de Janeiro.

Sobre Cristiane Rosenbaum

Cristiane Miranda Rosenbaum estudava direito quando teve os primeiros contatos com a moda trabalhando em lojas como Fórum, Zoomp e Carmin. Trancou a faculdade e começou a estudar moda, passando pela primeira turma de moda do SENAC e depois pela Saint Martin – University of the Arts London. De volta ao Brasil passou a trabalhar como assistente de estilo na marca Huis Clos. Como estilista e coordenadora de estilo colaborou com marcas como Atitude, Side Walk, Siberian, Arezzo e Naka. Em 2003 montou, junto da sócia Tatyana Takasse, a marca de roupas infantis Santa Paciência. Em 2012 organizou a primeira Feira no escritório de design Rosenbaum com 100% da renda revertida para o projeto A Gente Transforma, criado pelo designer Marcelo Rosenbaum. A Feira seguiu um caminho por esses 5 anos de história guiada pelo olhar da Cris, que foi organicamente encontrando a identidade e o lugar onde a Feira deveria estar. Hoje, Cris continua se dedicando a produzir a fazer a curadoria de expositores da Feira na Rosenbaum.

A Casa – Museu do objeto brasileiro

Data - 25 a 29/10
Horário – 11h as 20h00
Avenida Pedroso de Morais, 1216 Pinheiros
Forma de pagamento: dinheiro e cartões de débito e crédito
Entrada gratuita e livre