Regionalização de eventos de turismo


Festuris: a Feira na Serra Gaúcha é o principal evento fora do eixo Rio/São Paulo

Com o encerramento da Festuris - Feira Internacional de Turismo em Gramado (RS), que neste ano comemorou a 27ª edição, fecha-se o calendário de eventos de 2015 com algumas constatações e muitos alertas.

Falando com expositores - gente que vai em várias feiras - a sensação que ficou é que hoje temos dois grandes eventos "nacionais", ambos em São Paulo. A WTM Latin America, para muitos, vai desidratar a Feira da Abav - tanto assim que cresce o desejo de que a mais tradicional feira de turismo realizada no Brasil volte a ser itinerante.

Tirante estas duas que disputam a dianteira, pode-se colocar a Festuris como um evento que continua com o viés de alta - sempre com organização primorosa. Mesmo com o cenário de crise, desânimo e apreensão (sem contar os problemas com o clima, inclusive interditando o principal acesso da cidade para quem parte de Porto Alegre) - fatores que naturalmente fizeram retrair as perspectivas de negócios - a Feira na Serra Gaúcha é soberana na sua proposta de descentralizar, tirar do eixo Rio-São Paulo a primazia de realizar eventos de ponta.

A regionalização da feiras, por sinal, é um indicativo do que pdoe ser o calendário de 2016 - mas seria importante que as pessoas tratassem de trabalhar com inteligência, para que nãos e repetisse o que vimos acontgecer neste ano quando os festivais de Ouro Preto e João Pessoa aconteceram exatamente nas mesmas datas.

Para 2016, das chamadas feiras regionais, estão confirmadas (sem ordem de datas): Avirp, Aviesp, Festival de João Pessoa, Ouro Preto, Salão de Curitiba, BNT Mercosul, Centro Oeste Tur. Especula-se que Bonito (MT) terá uma Feira, do mesmo modo que o povo do Mato Grosso do Sul quer fazer a sua.

Resta saber se o trade terá fôlego para comprar espaços (estandes) e se os agentes de viagem terão pernas financeiras para se fazerem presentes.